Estamos preparados para um mundo pós-trabalho, no qual a aposentadoria será aposentada?

Estamos preparados para um mundo pós-trabalho, no qual a aposentadoria será aposentada?

Our Thinking / Career / Estamos preparados para um mundo pós-trabalho, no qual a aposentadoria será aposentada?

Estamos preparados para um mundo pós-trabalho, no qual a aposentadoria será aposentada?
Mercer Brasil - Estamos preparados para um mundo pós-trabalho, no qual a ap
Calendar20 Abril 2018

O mundo está caminhando a passos largos para um futuro pós-trabalho.

A cada dia que passa, a produção de bens e serviços nos países desenvolvidos está ocorrendo sem a intervenção humana. Cada dólar, real, ou renmimbi (veja final do artigo) de valor criado nas economias hoje em dia é feito com menos trabalho.

Por isso os empregos estão desaparecendo e talvez muitos de nós não tenhamos nos dado conta de que estamos nos dirigindo para uma verdadeira revolução: um mundo sem trabalho.

Porém, os frutos de uma economia sem trabalho não estão sendo alocados da melhor forma, ou seja, de forma justa, eficiente, efetiva, ótima, que leve as sociedades a prosperarem – ao invés de colapsarem em algo tipo, oligarquias neofeudais e sem leis.

O próprio trabalho está se tornando a commodity mais escassa nas economias modernas. É por isso que estamos vendo as carreiras de ontem virarem pó. Bicos substituindo empregos. Jovens procurando desesperadamente uma forma de entrar no mercado, mas tendo dificuldade. A economia informal com soluços crescentes à margem da formal.

Em países como os EUA o mercado de trabalho inteiro está quebrando todas as regras que valiam antigamente – baixos níveis de desemprego e inflação também baixa, mas sem ganhos na renda das famílias, que continua a diminuir.

Como pode? Esses fatores não podem ocorrer todos ao mesmo tempo a menos que alguma coisa no coração da economia esteja mudando e mudando profundamente.

Essa coisa é tecnologia-automação. Algoritmos estão tomando o lugar de todos os níveis gerenciais na Uber e na Amazon. Eles estão substituindo completamente alguns setores — como propaganda e mídia — no Google e no Facebook. Estão tomando o lugar de profissões inteiras, como contabilidade, direito e medicina. Vamos deixar de lado a pergunta se estão fazendo isso tão bem assim — essa é uma discussão para outra ocasião.

Então, somos atuários, economistas, gerentes, intelectuais, políticos, pessoas – procurando desesperadamente por trabalho, empregos e carreiras, numa economia que tem cada vez menos trabalho para oferecer.

Estamos tentando resolver um problema que, um dia, víamos como solução. Queríamos vidas fáceis e confortáveis, onde o trabalho se tornasse obsoleto.

Agora, chegamos ao limiar do mundo de ficção científica ou de sonho, que tanto desejávamos. Só não imaginávamos que a transição seria a parte mais difícil!

Usando uma metáfora: uma economia industrial é como uma fábrica. Precisa de pessoas para funcionar. Essa agora é como um balão de gás. Sobe sozinho. A pergunta é: quem terá permissão para subir nele - com ele?

A estrada para um mundo pós-trabalho será pavimentada com revoluções. Revoluções políticas, sociais e culturais, mudanças profundas — não apenas com revoluções tecnológicas e automação.

Como distribuir os US$ 20 trilhões de bens e serviços produzidos anualmente nos EUA, no Brasil são R$ 6,6 trilhões, numa sociedade sem emprego? Esse já é um grande problema no mundo hoje porque a riqueza não é distribuída igualmente – a desigualdade gera extremismos e tende a se agravar, por isso terá que ser resolvida num futuro que já está aqui.

Nos EUA, toda rede de proteção pública e privada está conectada ao “emprego” das pessoas — plano de saúde, seguro desemprego, subsídios à educação e por aí vai. Mas isso deixou os EUA com um contrato social ultrapassado — porque num mundo em que o próprio trabalho está se tornando a commodity mais escassa, ligar a qualidade de vida de alguém a um “emprego” é a receita certa para o desastre social.

Se a democracia falhar as pessoas se voltarão a movimentos autoritários que forneçam a elas aquilo que a economia não conseguir lhes dar — saúde, educação, renda. O balão está subindo — ninguém está a bordo e aqueles que estão no solo provavelmente tentarão puxá-lo para baixo.

O contrato social Americano está ultrapassado porque foi construído para um mundo com trabalho – num mundo sem trabalho, terá que ser totalmente reescrito. Para fazer a transição para um mundo sem trabalho, os requisites básicos para uma vida decente terão que ser desconectados dos empregos. “Renda”, “poupança” e “investimentos”, da mesma forma, terão que ser desconectados do “emprego”.

Num mundo onde os próprios “empregos” são uma coisa do passado, atrelar a competência das pessoas à capacidade de conseguir um, levará o estilo de vida Americano ao colapso.

Agora, como reescrever um contrato social? Bem, vai levar uma ou duas gerações de reformas. De movimentos de massa em direção à mudança e a transformação. O “status quo” vai lutar contra a mudança a cada passo ao longo do caminho.

Normas e valores na sociedade terão que mudar — de “as pessoas pobres são preguiçosas” para “todo mundo merece uma renda” — e então as instituições terão que mudar.

Sem revolução social, cultural e política, um mundo sem trabalho ameaçará de colapso as sociedades cujos contratos sociais continuarem a ser escritos para uma era industrial.

Quem está mais bem posicionado para fazer a transição para um mundo sem trabalho? A Europa e os países Nórdicos. Lá, o que é básico para a vida não está ligado a empregos. São direitos básicos. Saúde, educação, bem estar.

Até mesmo renda e poupança, em menor escala, não dependem do “emprego” de alguém. Na Europa e nos países Nórdicos, o contrato social terá que ser atualizado — talvez não totalmente reescrito como nos EUA. Na Europa e nos países Nórdicos, o balão só terá que ser feito grande o bastante para caber todo mundo. No Brasil, a divisão atual do “nós” contra “eles” terá que ser superada antes que todos entrem no balão, não vai dar para ficar se estapeando dentro de um balão.

Onde irão parar as sociedades que não conseguirem fazer a transição? Países como os EUA e o Brasil podem nos dar uma boa pista. Contratos sociais escritos para sociedades industriais, que estão crescendo sem emprego, as tornará sociedades feudais. A classe média e os pobres se tornarão parecidos com servos e camponeses, enquanto aqueles que “dominarem” os algoritmos que vão controlar a economia sem emprego, serão semelhantes a lordes e barões, com poder absoluto.

Assim como nas primeiras eras da história humana, a capacidade dos servos e camponeses permanecerem vivos dependerá da ajuda dos nobres certos. Se ninguém puder entrar, o balão vai se espatifar, ao invés de subir.

Por isso que fazer essa transição será revolucionário, também, sob outro aspecto. Se as mudanças não forem feitas com humanidade, com cuidado e antecipadamente, as sociedades irão regredir para uma era passada que combina o pior de todas as eras passadas: autoritarismo, feudalismos, fascismo, tudo junto ao mesmo tempo. Revoluções, a final de contas, podem ser positivas ou negativas, para o bem ou para o mal.

Você pode estar imaginando: o que seria uma “sociedade sem emprego”. Seria uma sociedade em que as pessoas ficariam assistindo MTV ou novelas da Globo o dia inteiro e vegetando? Que não teria nenhum trabalho a ser feito? Claro que não!

O trabalho do futuro será bem diferente do trabalho do passado e de muitas maneiras não será absolutamente um “trabalho”. Não será hierárquico, não será baseado em comando-e- controle, não será rotineiro e padronizado e não será algo sofrido, a ser suportado, mas sim algo a ser abraçado e desfrutado.

O trabalho do futuro tem a ver com recuperar nossa dignidade, humanidade e liberdade — no sentido mais profundo dessas palavras. Será criativo e significativo, profundamente emocional e intelectual — não apenas técnico analítico e mundano, como montar engrenagens.

Há uma tarefa a ser feita — e tem a ver com achar meios de resolver esses grandes problemas atuais, as mudanças climáticas, esticar a longevidade humana, entender quem nós humanos realmente somos, descobrir o que é essa coisa que chamamos de universo. Essas grandes questões que vem nos assombrando desde os primórdios de nossa existência — é esse o trabalho que precisa ser feito num mundo em que o pão de cada dia já foi ganho, seja através da arte, literatura ou ciência.

Há outra forma de enxergar isso. Se formos bem sucedidos em fazer a transição para um mundo pós-trabalho, todos estarão a bordo do balão. Todo mundo, junto. A questão será então, para onde vamos? O que vamos explorar? Ver? Descobrir? O que existe acima das nuvens? O trabalho do futuro tem a ver com criar as invenções, sistemas de governo, contratos sociais, meios de vida, formas de organização, modos de expressão, que permitam as pessoas prosperar cada vez mais alto, num mundo sem trabalho.

Essa é a maior de todas as ironias. Deveria ser fácil, mas de fato, viver sem o peso do trabalho pode ser o trabalho mais difícil — e recompensador — de todos.

Num mundo sem trabalho, ninguém vai precisar se aposentar, não é mesmo? Porém, mesmo que a aposentadoria seja aposentada, sempre teremos que nos preparar financeiramente para o amanhã. Só não dá para dizer o que substituirá a previdência complementar como a conhecemos hoje, nesse futuro sem trabalho, sem aposentadoria.

* * * * * *

Ah, quase esqueci. Renmimbi é o nome oficial da moeda da Republica Popular da China. O Yen é a unidade básica do renmimbi, mas o Yen acabou sendo usado também para designar a moeda chinesa em geral, principalmente em contexto internacional. Em Portugal, por exemplo, antes do Euro, quando circulavam Escudos (moeda), os preços eram indicados em Contos (unidade básica ou unidade de conta).

***

Por: Eder Silva  

Fonte: Adaptado do artigo “Are we ready for a post-work world?”, escrito por Umair Haque.

 

  Cadastre-se para receber
Enviaremos também para o seu e-mail
*Campo Obrigatório