Sistemas previdenciários apresentam risco de criar questões de equidade intergeracional

Imprensa

Sistemas previdenciários apresentam risco de criar questões de equidade intergeracional

  • 23/10/2017
  • Brasil, São Paulo
  • A sustentabilidade de alguns sistemas atuais está sob ameaça.
  • A Dinamarca mantém a posição #1 pelo sexto ano.
  • Índice expandido para incluir Colômbia, Nova Zelândia e Noruega.
  • Brasil cai quatro posições, mas praticamente preserva a graduação do ano anterior.

Sistemas previdenciários insustentáveis de alguns países precisam aprender com os países mais desenvolvidos neste quesito ou correm o risco de criar questões de equidade intergeracional e aposentados desapontados.

Agora, mensurando 30 países e cobrindo 60% da população mundial, a nona edição do Melbourne Mercer Global Pension Index (Índice Global de Pensão Mercer Melbourne) estimula os países com sistemas previdenciários insustentáveis a agir agora, ao invés de arriscar a necessidade de tomar medidas ainda mais drásticas no futuro.

Jacques Goulet, Presidente da prática de Health e Wealth da Mercer, ressalta a necessidade dos países abordarem a sustentabilidade ao considerarem a reforma previdenciária.

"O aumento da expectativa de vida e os baixos retornos de investimentos estão tendo impactos significativos a longo prazo sobre a capacidade de muitos sistemas em todo o mundo oferecerem benefícios de aposentadoria adequados tanto agora quanto no futuro”, reforça Jacques Goulet. “Em segundo lugar, essas pressões alertaram os decisores políticos para a crescente importância das questões de equidade intergeracional.”

Jacques Goulet diz que “Japão, a Áustria, a Itália e França são exemplos de economias desenvolvidas cujos sistemas previdenciários não representam um modelo sustentável que apoiará as gerações atuais e futuras na sua velhice.

“Isso se deve a uma combinação de fatores, incluindo a falta de ativos reservados para o futuro, a baixa participação da força de trabalho em idades mais avançadas e mudanças demográficas significativas em relação ao envelhecimento da população”, reforça Goulet. “Se deixados como estão, esses sistemas criarão pressões sociais onde os benefícios de pensão não serão distribuídos igualmente entre as gerações”.

Autor do relatório e Sócio Sênior da Mercer, Dr. David Knox diz que nem tudo está perdido; cada país pode estar agindo agora em direção a um sistema previdenciário melhor.

"O principal objetivo do Índice é avaliar o sistema de renda de aposentadoria de cada país para que possamos aprender a entender como podem ser as melhores práticas, tanto agora quanto no futuro”, diz Dr. Knox. “A partir de nossa pesquisa, está claro quais países lideram o caminho para fornecer sistemas previdenciários sustentáveis com benefícios adequados e o que os outros podem aprender com eles para melhorar. A Dinamarca, os Países Baixos e a Austrália são três desses países que, ao mesmo tempo em que utilizam diferentes abordagens dependendo do seu ponto de partida, adotam uma forte abordagem de vários pilares, como destacado no Índice ".

Como será o futuro?

Alguns países enfrentam um caminho mais íngreme para a sustentabilidade do sistema do que outros, e todos começam de uma origem diferente com seus próprios fatores únicos em jogo. No entanto, todos os países podem agir e avançar para um sistema melhor. A longo prazo, não há um sistema previdenciário perfeito, mas os princípios das melhores práticas são claros e as nações devem criar políticas e condições econômicas que possibilitem as mudanças necessárias.

Com o desejo de criar vidas melhores, o Índice deste ano fornece uma interpretação mais profunda e mais rica dos sistemas previdenciários globais. Tendo agora expandido para incluir a Colômbia, a Nova Zelândia e a Noruega, o Índice mensura 30 sistemas em mais de 40 indicadores para avaliar sua adequação, sustentabilidade e integridade. Essa abordagem destaca um propósito importante do Índice: permitir comparações de diferentes sistemas em todo o mundo com uma variedade de características de desenhos que operam em diferentes contextos e culturas.

Melbourne Mercer Global Pension Index (Índice Global de Pensão Melbourne Mercer) demonstrado em Números

O Índice deste ano revela que a Dinamarca, em seu sexto ano consecutivo, permaneceu na primeira posição com uma pontuação total de 78,9, na frente dos Países Baixos e da Austrália, com 78,8 e 77,1 respectivamente.

O Brasil caiu quatro posições no ranking com relação a 2016, apsear da pequena variação da pontuação de um ano para outro. No entanto é necessário levar em consideração a inclusão de mais três países ao estudo este ano. A pontuação absoluta variou de 55,1 em 2016 para 54,8 em 2017, o que deixou o Brasil em 20º Lugar, dentre os 30 países estudados. 

Segundo Felipe Bruno, Líder de Previdência da Mercer Brasil, “O valor nominal do índice caiu levemente - o que de fato não reflete grandas alterações nas condições do sistema - mas nos mostra que a questão da sustentabilidade do sistema segue sendo um ponto estrutural crucial a ser endereçado”.

“A capacidade do sistema honrar com seus compromissos no médio prazo, associado a uma população que envelhece rapidamente e cresce em ritmo menor, pressionam cada vez mais para uma reforma estrutural”, reforça Felipe Bruno.

Novos participantes no Índice, a Noruega e a Nova Zelândia obtiveram um valor de índice global credível de 74,7 e 67,4, respectivamente. Ambos os países foram notados como tendo uma estrutura sólida, com muitas características boas, mas com algumas áreas para melhoria. A Colômbia, com um valor de índice global de 61,7, foi notada como um sistema com algumas características boas, mas também um sistema com alguns dos principais riscos e deficiências que precisam ser abordados.

Notas A são inatingíveis no Índice de 2017

Ao manter a integridade e a relevância do Índice, foram incluídas duas novas questões que fizeram com que nenhum país obtivesse a inatingível nota "A". A primeira questão aborda o crescimento econômico real no subíndice de sustentabilidade, enquanto a segunda leva em consideração as pensões voluntárias.

Naturalmente, a adição de uma nova questão no subíndice de sustentabilidade resultou em questões relacionadas aos ativos e aos níveis de contribuição, tendo reduzido suas ponderações. Os países que viram uma melhora significativa no valor do índice são aqueles que tiveram alto crescimento econômico real nos últimos três anos e onde isso deverá continuar nos próximos três. Estes incluem China, Índia, Indonésia, Irlanda e Malásia. Por outro lado, os países com ativos de pensão significativos e contribuições obrigatórias elevadas, mas com menor crescimento econômico real, viram um declínio no valor de seu subíndice de sustentabilidade. Estes incluem o Canadá, a Dinamarca e os Países Baixos.

"O MMGPI é uma referência importante para os decisores políticos em todo o mundo aprenderem com os sistemas mais adequados e sustentáveis. Sabemos que não existe um sistema perfeito que possa ser aplicado universalmente, mas existem muitas características comuns que podem ser compartilhadas para resultados melhores ", disse o Dr. Knox.

Melbourne Mercer Global Pension Index – Resultados do valor do índice global

A tabela a seguir mostra o valor do índice global para cada país, juntamente com o valor do índice para cada um dos três subíndices: adequação, sustentabilidade e integridade. Cada valor de índice representa uma pontuação entre zero e 100.

***

Melbourne Mercer Global Pension Index

O Melbourne Mercer Global Pension Index (Índice Global de Pensões Melbourne Mercer) é publicado pelo Australian Centre for Financial Studies (ACFS) – Centro Australiano de Estudos Financeiros, em colaboração com a Mercer e o Governo Estadual de Victoria, que fornece a maior parte do financiamento. O apoio financeiro também foi fornecido pelo The Finnish Centre for Pensions (Centro Finlandês para Pensões).

Sobre a Mercer

A Mercer fornece consultoria e soluções baseadas em tecnologia que auxiliam as organizações a atender às necessidades de saúde, patrimônio e carreira de uma força de trabalho em mudança. Os mais de 22.000 empregados da Mercer estão alocados em 43 países e a empresa opera em mais de 130 países. A Mercer é uma subsidiária integral da Marsh & McLennan Companies (NYSE: MMC), uma empresa global de serviços profissionais nas áreas de risco, estratégia e capital humano. Com mais de 60.000 empregados e uma receita anual superior a US$ 13 bilhões, através de suas empresas líderes de mercado, incluindo Marsh, Guy Carpenter e Oliver Wyman, a Marsh & McLennan ajuda os clientes a navegar em um ambiente cada vez mais dinâmico e complexo. Para mais informações, visite www.mercer.com.au

Sobre o Centro Australiano de Estudos Financeiros

O Centro Australiano de Estudos Financeiros (ACFS- Australian Centre for Financial Studies) é um centro de pesquisa da Monash Business School. O Centro foi fundado em 2005 com financiamento do governo vitoriano e tornou-se parte da Universidade de Monash em 2016. Sua pesquisa é financiada principalmente por uma série de parceiros e colaboradores corporativos e é acessível, baseada em evidências e independente, e visa informar a política pública, o debate comunitário e a prática da indústria. Esse relatório com a Mercer é um exemplo importante do resultado da pesquisa.

A missão do ACFS é apoiar o papel essencial do serviço financeiro na economia através de pesquisa baseada em evidências, diálogo perspicaz e colaboração significativa de toda a indústria, governo e academia. Para mais informações, visite www.australiancentre.com.au.

INFORMAÇÕES PARA CONTATO