Quando as mulheres progridem, os negócios progridem

Quando as mulheres progridem, os negócios progridem

“Quando as mulheres progridem, os negócios progridem”: Mercer

  • 01 12 2014
  • Brasil, São Paulo

 

  • Consultoria líder em Recursos Humanos realiza pela primeira vez estudo global sobre Diversidade de Gênero, com resultados obtidos a partir de 164 organizações em 28 países.
  • O relatório destaca o percentual de 33% do gênero feminino na força de trabalho na América Latina, e de 41% em todo o mundo, sendo Estados Unidos e Canadá os países com maior contratação de mulheres.

 

São Paulo, 1 de dezembro de 2014.- Na América Latina, as empresas poderão mostrar um crescimento significativo na representação feminina em nível executivo na próxima década, com um aumento esperado de 12% hoje, para 39% em 2024, de acordo com o estudo global When Women Thrive, Businesses Thrive (“Quando as mulheres progridem, os negócios progridem”), elaborado pela Mercer, consultoria líder em Recursos Humanos.

É importante ressaltar que a eficácia das organizações em aproveitar o talento feminino resulta da capacidade de atrair, desenvolver e reter. A análise, elaborada a partir de 164 empresas de 28 países, indica que as empresas que confiam nelas (depois de considerar a ampla gama de programas cobertos) têm uma representação mais favorável das mulheres em cargos seniores no longo prazo.

No entanto, ressalta a pesquisa, as empresas da Europa/Oceania também poderão alcançar progressos significativos em matéria de igualdade de gênero em cargos mais elevados durante os próximos 10 anos, uma vez que se espera que as empresas dessa região aumentem o número de mulheres em cargos executivos de 18% para 47%.

A partir de uma perspectiva de gestão de talentos, diz a Mercer, as estratégias ideais variam por região. Nos EUA e Canadá, as empresas devem se concentrar em uma maior igualdade em promoções, já que são contratadas a taxas mais baixas. Na Europa / Oceania as empresas indicam que precisam melhorar a contratação de mulheres. As organizações da América Latina devem se concentrar na retenção considerando melhores taxas. A necessidade de abordar a retenção do sexo feminino em cargos executivos é consistente em todos os países.

“Se os esforços atuais que tendem a introduzir mais mulheres em cargos mais altos na próxima década irão impactar em sua representação no futuro, variará consideravelmente, de acordo com a região. Nos EUA e Canadá, o número de mulheres em níveis mais altos está no caminho certo para permanecer essencialmente estável durante os próximos 10 anos, com 26% de cargos executivos ocupados por mulheres em 2024, em comparação com os 24% de hoje”, afirmou Ana Paula Henriques.

 

MAPA DO MERCADO DE TRABALHO INTERNO PARA UMA ORGANIZAÇÃO MÉDIA NA AMÉRICA LATINA

 

Representação Geral: 33% Mulheres / 67% Homens

*A Mercer usa mapas e modelos estatísticos do Mercado de Trabalho Interno (ILM, por sua sigla em Inglês) para diagnosticar tudo relacionado aos fluxos de talentos dentro das organizações, através de centenas de empresas e indústrias. Um mapa do ILM, representação gráfica do fluxo de talentos de uma organização, resume, para cada nível de carreira standard, a taxa na qual o talento entra para a organização, se movimenta pela estrutura hierárquica, e sai da força de trabalho. Ao segmentar por sexo, o ILM revela diferenças nos níveis ocupados por mulheres e homens, assim como as diferenças nos fluxos de talento (contratações, promoções e demissões) impulsionados pelas diferentes experiências de trabalho em uma organização.

Fonte: Estudo When Women Thrive, Businesses Thrive de Mercer

 

Apesar de constituir 41% da força de trabalho em todo o mundo, a maior representação das mulheres em todos os níveis de carreira está nos cargos de suporte. Esse gênero representa 40% do nível profissional e 36% do nível gerencial, mas apenas 26% dos gerentes seniores e 19% dos executivos.

 

Força de trabalho feminina

O estudo da Mercer adverte, contudo, que se considerarmos que as mulheres constituem 41% da força de trabalho em todo o mundo, com uma maior representação nos EUA e Canadá (48%) e significativamente menor na Europa/Oceania e América Latina (37% e 33%, respectivamente), as organizações de todo o mundo estão longe de alcançar a igualdade de gênero.

Em termos de contratação, o gênero feminino nos EUA e Canadá fica atrás de seus colegas masculinos em todos os níveis de carreira, com exceção dos profissionais e executivos, enquanto que as mulheres na Europa/Oceania mostram atraso em todos os níveis, exceto no gerencial. As organizações da América Latina são as mais agressivas nas contratações em cargos iniciais, mas começam a ser menores do que as contratações masculinas, acima do gerencial.

"Apesar dos esforços realizados nas últimas décadas sobre a diversidade tenham se traduzido em algumas melhorias nas taxas de participação e nas trajetórias profissionais das mulheres, nosso estudo demonstra que ainda estamos a décadas de distância de uma verdadeira igualdade de gênero, se continuarmos atuando da mesma maneira que temos feito”, comentou Pat Milligan, Presidente da Região da América do Norte da Mercer.

"É hora de agir de maneira diferente para reconhecer o benefício de sua plena participação e abordar as necessidades particulares das empregadas mulheres”, acrescentou.

De acordo com a pesquisa, que avalia em termos gerais o impacto das práticas e políticas organizacionais sobre a representação e o progresso das mulheres no mercado de trabalho, as empresas continuam longe de alcançar a igualdade de gênero; no entanto, as mudanças reais na cultura e política de inclusão feminina modificarão os números de representação para empresas muito mais equitativas.

 

FORÇA DE TRABALHO PROJETADA PARA 2024 PARA UMA ORGANIZAÇÃO NA AMÉRICA LATINA

Resumo dos resultados baseados em mudanças para a igualdade e retenção feminina entre 2014 e 2024       

 

Principais fatores que impulsionam a diversidade de gênero

Uma das principais conclusões do relatório indica que a participação ativa dos líderes seniores na diversidade de gênero leva a uma maior representação de mulheres em cargos executivos, mais do que a responsabilidade. Contudo, pouco mais do que a metade (56%) das organizações indica que seus executivos seniores participam ativamente dos programas de diversidade e inclusão.

Além disso, a existência de uma equipe dedicada responsável pela equidade salarial faz com que mais mulheres ocupem cargos seniores, enquanto que as políticas comuns (aquelas destinadas a garantir a igualdade, através de horários de trabalho flexíveis e programas de licenciamento), devido à falta de gestão, estão associadas a uma melhoria mais lenta no número de mulheres que ocupam posições de liderança.

O estudo também demonstra que as soluções não tradicionais para a diversidade de gênero impactam positivamente na capacidade de uma organização em atrair e reter o talento feminino no longo prazo.

Por exemplo, os programas de aposentadoria mais diferentes, incluindo o acompanhamento de poupança por gênero, a capacitação em material de investimentos à medida das diferentes realidades e as campanhas de educação para a saúde por gênero se correlacionam com maior representação das mulheres em nível senior. Não obstante, menos de 15% das empresas realizam o acompanhamento de poupança e oferecem programas de aposentadoria à medida dos diferentes comportamentos das mulheres.

“Claramente, as empresas podem realizar um melhor trabalho para abordar e melhorar a igualdade de gênero no local do trabalho e aproveitar as capacidades de uma força de trabalho diversificada”, comenta Milligan. “Dada a magnitude da força de trabalho feminina inexplorada, uma maior participação das mulheres tem implicações importantes para o desenvolvimento econômico e social das comunidades e nações, assim como resultados de negócio e desempenho”.

 

Conclusões

De acordo com o estudo global da Mercer, as mulheres, que continuam tendo uma representação insuficiente na maioria dos níveis da força de trabalho, não estão avançando em suas carreiras, apesar dos esforços organizacionais realizados nas últimas décadas para alcançar a diversidade e igualdade de gênero.

Entre os participantes da pesquisa, se as abordagens atuais permanecerem inalteradas, somente um terço dos cargos executivos serão ocupados por mulheres nos próximos 10 anos. No entanto, nas economias maduras dos EUA e Canadá, apenas um quarto delas ocuparão cargos executivos até 2024, enquanto se espera que a representação feminina nos países em desenvolvimento cresça rapidamente.  

 

Sobre a análise

O estudo exclusivo da Mercer, When Women Thrive, Businesses Thrive (“Quando as mulheres progridem, os negócios progridem”), desenvolvido com a assessoria da EDGE Certified Foundation, utilizou uma abordagem estatística para revelar os fatores fundamentais que impulsionam a representação feminina atual e futura, e identificar as oportunidades concretas que as organizações podem perseguir para acelerar o progresso em torno de seus objetivos de diversidade e inclusão.

O relatório, que analisou os dados da força de trabalho para mais de 1,7 milhões de empregados em 28 países, incluindo mais de 680 mil mulheres, identifica o que as empresas podem fazer para envolvê-las completamente no local de trabalho, garantir que a diversidade prospere e alcançar o sucesso no negócio.

“É um prazer colaborar com a Mercer nesse estudo pioneiro, que avalia os padrões reais da representação de gênero para descobrir quais são os fatores que impulsionam realmente a diversidade de gênero nas organizações”, afirma Aniela Unguresan, Co-fundadora da EDGE Certified Foundation, que estabeleceu a única certificação global de negócios em igualdade de gênero no local de trabalho.

"É claro que quem move a agulha de forma significativa não é a mudança incremental, mas a mudança disruptiva", diz ela.

Enquanto isso, Brian Levine, líder de inovação para o negócio de consultoria em Workforce Strategy & Analytics da Mercer da América do Norte, acrescenta: "Nosso estudo mostra que os empregadores que se concentram em soluções integrais para gerar diversidade são mais bem sucedidos, e as organizações que requerem análise preditiva para vincular os programas específicos e as estratégias de talento com a promoção, compromisso e retenção de mulheres são mais eficazes."

Para obter mais Informações sobre os resultados desse estudo, visite http://www.mercer.com/services/talent/forecast/gender-diversity.html

 

Sobre a Mercer

A Mercer é uma consultoria líder mundial em talento, saúde, previdência e investimentos. A Mercer auxilia os clientes em todo o mundo a promover a saúde, o patrimônio e o desempenho de seus ativos mais importantes – as pessoas. Os mais de 20.000 empregados da Mercer estão localizados em 43 países e a empresa opera em mais de 130 cidades. A Mercer é uma subsidiária integral da Marsh & McLennan Companies (NYSE: MMC), um time global de empresas de serviços profissionais fornecendo consultoria e soluções a clientes nas áreas de risco, estratégia e capital humano. Com mais de 55.000 empregados em todo o mundo e receita anual superior a $12 bilhões, a Marsh & McLennan Companies também é a controladora da Marsh, líder mundial em corretagem de seguros e gerenciamento de riscos, Guy Carpenter, líder mundial em serviços de risco e mediação de resseguro; e Oliver Wyman, líder mundial em consultoria de gestão. Para mais informações, visite www.latam.mercer.com. Siga a Mercer no Twitter @MercerLatAm, Facebook MercerLatam e LinkedIn Mercer Latinoamérica.

                         

INFORMAÇÕES PARA CONTATO