Pesquisa Qualidade de Vida 2016

Pesquisa Qualidade de Vida 2016

Viena novamente lidera o ranking de Qualidade de Vida da Mercer em 2016

  • 23 de Fevereiro de 2016
  • United States, New York
  • No Brasil, Brasília ocupa a 106ª posição, Rio de Janeiro a 117ª, São Paulo a 121ª e Manaus a 125ª
  • No ranking específico sobre Segurança Pessoal, dentre as 230 cidades analisadas, Luxemburgo está em primeiro lugar e Bagdá é a última colocada. No Brasil, Manaus apresenta a melhor classificação (111º lugar) enquanto São Paulo ocupa a 192º posição.


Apesar dos recentes problemas com segurança, agitação social e preocupação sobre a perspectiva econômica da região, as cidades europeias continuam a oferecer melhor qualidade de vida, de acordo com a 18ª pesquisa anual de Qualidade de Vida da Mercer.

Viena continua o seu reinado na primeira posição para qualidade de vida em geral, seguida por Zurique (2), Auckland (3) e Munique (4). Vancouver (5) é a cidade mais alta no ranking da América do Norte, e Singapura é a cidade asiática melhor classificada, ocupando o 26º lugar.

Segurança, em particular, é um fator-chave considerado por empresas multinacionais quando enviam expatriados para o exterior, pois levanta preocupações sobre a segurança pessoal do expatriado e porque tem um impacto significativo sobre o custo dos programas globais de remuneração.

“As ameaças intensificadas à segurança nacional e global, deslocamento da população em virtude da violência e agitação social em centros comerciais chave em todo o mundo são todos elementos adicionados ao desafio complexo enfrentado pelas empresas multinacionais, ao analisarem a segurança e a saúde de seus empregados expatriados,” comentou Ilya Bonic, Partner Senior e Presidente da área de Talent da Mercer. “As empresas multinacionais precisam de informações precisas e métodos objetivos para determinar as implicações do custo de deterioração dos padrões de vida e questões de segurança pessoal ao remunerar expatriados.”

Este ano, a pesquisa da Mercer também identificou a classificação de segurança pessoal para a lista completa de cidades; ela é baseada na estabilidade interna, níveis de criminalidade, desempenho da aplicação da lei local e a relação do país de origem com outros países. Luxemburgo está no topo da lista de segurança pessoal e é seguida por Berna, Helsinque e Zurique – todas ocupando o 2º lugar. Bagdá (230) e Damasco (229) são as cidades menos seguras do mundo, de acordo com o ranking.

De acordo com este ranking, a cidade mais segura do Brasil é Manaus, classificada em 111º lugar, enquanto Brasília ocupa a 134ª posição, Rio de Janeiro a 185ª e São Paulo a 192ª posição.

A pesquisa da Mercer é uma das mais abrangentes do mundo e é conduzida anualmente para auxiliar empresas multinacionais e outras organizações a remunerar de maneira justa seus empregados enviados em transferências internacionais. Os incentivos incluem subsídio de qualidade de vida e um prêmio de mobilidade*.  As pesquisas de Qualidade de Vida da Mercer fornecem informação valiosa e recomendações de hardship para mais de 450 cidades em todo o mundo; o ranking deste ano incluiu 230 dessas cidades.

“Assegurar que as necessidades dos expatriados e suas famílias sejam atendidas onde quer que o trabalho os leve é uma parte essencial da retenção de talentos e estratégias de recrutamento para a maioria das multinacionais,” disse Slagin Parakatil, Diretor da Mercer e responsável pela Pesquisa de Qualidade de Vida. “Gerenciar questões de segurança e saúde é de máxima importância, especialmente para empregados que se mudam com a família. Nossas pesquisas permitem que as empresas tomem precauções adequadas para eles.”

O Sr. Parakatil adicionou: “Outros elementos que contribuem para os custos com segurança no local de destino são a obtenção de acomodação adequada e bem protegida, ter um programa abrangente de segurança para o expatriado, fornecer acesso a serviços de boa reputação profissional de evacuação e empresas de apoio médico e, finalmente, fornecer treinamento de segurança e escritórios protegidos.”

 

Europa

Apesar das incertezas econômicas, as cidades da Europa Ocidental continuam a desfrutar da melhor qualidade de vida do mundo; elas ocupam sete dos 10 primeiros lugares da lista. Viena continua a liderar o ranking e assim o tem feito durante os últimos sete anos. É seguida por Zurique (2), Munique (4), Dusseldorf (6), Frankfurt (7), Genebra (8) e Copenhague (9). No 69º lugar, Praga é a cidade mais alta no ranking da Europa Central e Oriental, seguida por Liubliana (76) e Budapeste (77). As cidades mais baixas no ranking da Europa são Kiev (176), Tirana (179) e Minsk (190).

As cidades europeias também dominam o topo do ranking para segurança pessoal com Luxemburgo em primeiro lugar, seguida por Berna, Helsinque e Zurique, que ocupam o segundo lugar. Viena está em 5º, Genebra e Estocolmo ocupam juntas o 6º e Copenhague, Dusseldorf, Frankfurt, Munique e Nuremberga compartilham a 11ª posição. Algumas cidades-chave ou capitais ficaram mal classificadas por terem sofrido ataques terroristas ou agitações sociais nos últimos anos; exemplos incluem Paris (71), Londres (72), Madri (84) e Atenas (124). As últimas manifestações políticas e econômicas na Grécia, que resultaram em demonstrações violentas em Atenas e outras cidades do país, prejudicaram sua classificação em segurança. Kiev (189), St. Petersburgo (197) e Moscou (206) tiveram a menor classificação para segurança pessoal na região.

 

Américas

A Qualidade de Vida permanece alta na América do Norte, onde as cidades canadenses dominam o topo da lista. Vancouver (5) é a cidade mais alta no ranking, seguida por Toronto (15) e Ottawa (17). Nos Estados Unidos, São Francisco (28) é a melhor classificada para qualidade de vida, seguida por Boston (34), Honolulu (35), Chicago (43) e Nova York (44). No México, Monterrey (108) é a melhor classificada, enquanto que a Cidade do México está na 127ª posição. As cidades pior classificadas da América do Norte são Monterrey (108) e a Cidade do México (127), e no Caribe são Havana (191) e Porto Príncipe (227). Na América do Sul, Montevidéu (78), Buenos Aires (93) e Santiago (94) permanecem como as cidades melhor classificadas para qualidade de vida, enquanto que Bogotá (130), La Paz (156) e Caracas (185) são as piores.

No Brasil, neste ano, Brasília permaneceu na mesma posição ocupada na última pesquisa (106). As cidades do Rio de Janeiro e Manaus subiram uma posição no ranking mesmo mantendo as mesmas avaliações do ano anterior. Já a cidade de São Paulo caiu duas posições quando comparada com os resultados de 2015.

“Dentre os elementos que influenciaram essa queda, podemos citar a redução na avaliação dos fatores relacionados à disponibilidade de água e ocorrência de doenças infecciosas. A piora nestes itens é relevante pois muitas vezes são fatores cruciais no momento do aceite de uma proposta de expatriação.”, diz Karla Costa, consultora responsável pela área de Global Mobility da Mercer Brasil.

"Algo importante a considerar é que as cidades podem aumentar ou diminuir a classificação geral devido à inclusão de novas cidades, bem como o reposicionamento das outras cidades incluídas no ranking", acrescentou Karla Costa.


"Diferentes culturas, climas, instabilidade política, altos níveis de criminalidade e falta de infraestrutura podem dificultar o estabelecimento de trabalhadores e suas famílias em outro país. É imprescindível que as empresas avaliem se seus expatriados e suas famílias terão de enfrentar uma diminuição no padrão de qualidade de vida para garantir que eles recebam uma compensação justa para justificar tal movimentação.", concluiu Costa.

Todas as cidades canadenses possuem classificação elevada para segurança pessoal, com Calgary, Montreal, Ottawa, Toronto e Vancouver compartilhando o 16º lugar, enquanto que nenhuma cidade americana está entre as primeiras 50. As cidades americanas melhor colocadas são Chicago, Honolulu, Houston e São Francisco – todas em 54º lugar. Kingston (199), Tegucigalpa (201) e Porto Príncipe (211) possuem os menores níveis de segurança pessoal da região. Em 96º lugar, Montevidéu é a cidade da América do Sul melhor colocada para segurança pessoal, seguida por Manaus (111) e Santiago (112); Caracas é a pior.

A maioria das cidades norte-americanas permanece segura para expatriados. Mas as cidades mexicanas estão relativamente mal classificadas, principalmente devido à violência relacionada às drogas.  O recente aumento de desemprego nos países da América Latina e Caribe, juntamente com a crise econômica e instabilidade política em alguns desses países, explica as classificações relativamente baixas em segurança pessoal em toda a região.

 

Ásia-Pacífico

A vasta região da Ásia tem uma variação considerável em qualidade de vida. Em 26º lugar, Singapura permanece como a cidade melhor classificada, enquanto que Daca (214) é a pior. Seguindo Singapura no Sudeste Asiático está Kuala Lumpur (86). Outras cidades-chave incluem Bangkok (129), Manila (136) e Jacarta (142). As cidades japonesas melhor colocadas estão na Ásia Oriental, com Tóquio em 44º lugar. Outras cidades notáveis aqui são Hong Kong (70), Taipei (84), Xangai (101) e Pequim (118).

Para segurança pessoal, os rankings das cidades asiáticas novamente variam muito. Singapura (8) é a melhor colocada em geral e seguida por cinco cidades japonesas – Kobe, Nagoia, Osaka, Tóquio e Yokohama – empatadas em 32º lugar. Outras cidades-chave incluem Hong Kong (37), Taipei (78), Pequim (97), Seul (115), Nova Deli (142) e Jacarta (172). Devido às consideráveis agitações políticas e ataques terroristas em diversas áreas turísticas ao longo dos últimos anos, Bangkok ficou classificada em 173º lugar para segurança pessoal.

Nova Zelândia e Austrália são algumas das cidades com melhor índice de qualidade de vida do mundo. Auckland está classificada em 3º lugar globalmente, Sidney em 10º, Wellington em 12º e Melbourne em 15º. Para segurança pessoal, as cidades do Pacífico também estão bem classificadas, com Auckland e Wellington compartilhando o 9º lugar. Camberra, Melbourne, Perth e Sidney compartilham a 25ª posição.

 

Oriente Médio e África

Dubai (75) continua sendo a melhor colocada para qualidade de vida na África e Oriente Médio, seguida por Abu Dhabi (81) e Port Louis (83), nas Ilhas Maurício. As cidades de Durban, Cidade do Cabo e Joanesburgo, na África do Sul, estão em 85º, 92º e 95º lugar respectivamente.  Bagdá (230) é a cidade pior classificada regional e mundialmente.

Apenas algumas das cidades dessa região estão entre as 100 para segurança pessoal – com Abu Dhabi classificando-se como a melhor em 23º lugar, seguida por Mascate (29), Dubai (40) e Port Louis (59). A próxima anfitriã da Copa do Mundo FIFA de 2022, Doha, ocupa a 70ª posição para segurança pessoal. A geopolítica regional é altamente volátil e caracterizada por preocupações de segurança, turbulência política e um elevado risco de terrorismo. As cidades pior classificadas na região são Damasco (229) e Bagdá (230), sendo que ambas têm testemunhado violências e ataques terroristas contínuos que pesam sobre a vida diária dos habitantes locais e expatriados.

 


Notas aos Editores

A Mercer produz anualmente os rankings mundiais de qualidade de vida a partir de sua Pesquisa de Qualidade de Vida Mundial. Relatórios individuais são produzidos para cada cidade pesquisada. Índices comparativos de qualidade de vida entre uma cidade base e uma de destino estão disponíveis, assim como comparações entre múltiplas cidades. Os detalhes podem ser obtidos com Mercer Client Services em Varsóvia, tel.: +48 22 434 5383 ou www.mercer.com/qualityofliving.

Os dados foram amplamente analisados entre setembro e novembro de 2015 e serão atualizados regularmente para levar em conta a evolução das circunstâncias. Em particular, as avaliações serão revistas para refletir os desenvolvimentos políticos, econômicos e ambientais significativos.

As informações e dados obtidos através dos relatórios de Qualidade de Vida são apenas para fins informativos e destinados ao uso por organizações multinacionais, agências governamentais e municípios. Não são projetados ou destinados para o uso como base para investimento estrangeiro ou turismo. Em nenhum caso a Mercer será responsável por qualquer decisão ou ação tomada com base nos resultados obtidos através do uso, ou a informação ou dados contidos nos relatórios. Enquanto os relatórios foram elaborados com base em fontes, informações e sistemas que acreditamos ser confiáveis ​​e precisos, eles são fornecidos "tal como estão", e a Mercer não aceita nenhuma responsabilidade referente à validade / precisão (ou não) das fontes/dados usados ​​para compilar os relatórios. A Mercer e suas afiliadas não fazem representações ou garantias com relação aos relatórios, e negam todas as garantias expressas, implícitas e estatutárias de qualquer tipo, incluindo representações e garantias implícitas de qualidade, precisão, pontualidade, integralidade, comercialização e adequação para uma determinada finalidade.

 

Expatriados em Locais Difíceis: Determinação de Subsídios e Incentivos Adequados

As empresas devem determinar os pacotes de remuneração de seus expatriados de forma racional, consistente e sistemática, utilizando dados confiáveis. Fornecer incentivos para recompensar e reconhecer os esforços que os empregados e suas famílias fazem quando transferidos internacionalmente permanece como uma prática típica, principalmente para locais difíceis.

*Dois incentivos comuns incluem um subsídio de qualidade de vida e um prêmio de mobilidade:

•       Um subsídio de qualidade de vida ou hardship compensa a diminuição de qualidade de vida entre os locais de origem e destino.

•       Um prêmio de mobilidade simplesmente compensa a inconveniência de ser desenraizado e ter que trabalhar em outro país.

Um subsídio de qualidade de vida geralmente está relacionado com a localização, enquanto que um prêmio de mobilidade normalmente independe do local de destino. Algumas empresas multinacionais combinam esses prêmios, mas a grande maioria os fornece separadamente.

 

Qualidade de vida: Benchmarking de cidade

A Mercer também ajuda os municípios a avaliarem os fatores que podem melhorar a sua classificação em qualidade de vida. Em um ambiente global, as empresas possuem muitas escolhas, como para onde enviar seus empregados e estabelecer novos negócios. A qualidade de vida de uma cidade pode ser uma variável importante a ser considerada pelas empresas.

Líderes de muitas cidades querem entender os fatores específicos que afetam a qualidade de vida de seus habitantes e abordar essas questões que reduzem a classificação geral de suas cidades em qualidade de vida. A Mercer aconselha os municípios através de uma abordagem holística que considera seus objetivos de progredir rumo a excelência e atrair empresas multinacionais e talentos transferidos globalmente, melhorando os elementos mensurados em sua pesquisa de Qualidade de Vida.

Recomendações da Mercer sobre Subsídios de Hardship

A Mercer avalia as condições de vida local em mais de 450 cidades pesquisadas em todo o mundo. As condições de vida são analisadas de acordo com 39 fatores, agrupados em 10 categorias:

1.    Ambiente político e social (estabilidade política, crime, cumprimento de leis, etc)

2.    Ambiente econômico (regulamentações sobre taxa de câmbio, serviços bancários, etc).

3.    Ambiente sociocultural (disponibilidade de mídia e censura, limitações para liberdade pessoal).

4.    Considerações médicas e de saúde (suprimentos e serviços médicos, doenças infecciosas, saneamento, descarte de resíduos, poluição do ar, etc).

5.    Escolas e educação (padrão e disponibilidade de escolas internacionais).

6.    Serviços e transporte público (eletricidade, água, transporte público, congestionamento de trânsito, etc).

7.    Recreação (restaurantes, teatros, cinemas, esportes e lazer, etc).

8.    Bens de consumo (disponibilidade de alimentos/artigos de consumo diário, carros, etc).

9.    Moradia (aluguel de imóvel, eletrodomésticos, móveis, serviços de manutenção).

10.  Ambiente natural (clima, registro de desastres naturais).

 

Os pontos atribuídos a cada um dos fatores, que são ponderados para refletir sua importância para os expatriados, permitem comparações objetivas de cidade a cidade. O resultado é um índice de qualidade de vida que compara diferenças relativas entre dois locais avaliados. Para que os índices sejam utilizados de maneira eficaz, a Mercer criou uma grade que permite aos usuários vincularem o índice resultante a um valor de auxílio para qualidade de vida, através da recomendação de um valor percentual em relação ao índice.

Sobre a Mercer

A Mercer é uma consultoria líder mundial em talento, saúde, previdência e investimentos. A Mercer auxilia os clientes em todo o mundo a promover a saúde, o patrimônio e o desempenho de seus ativos mais importantes – as pessoas. Os mais de 20.000 empregados da Mercer estão localizados em 43 países e a empresa opera em mais de 140 cidades. A Mercer é uma subsidiária integral da Marsh & McLennan Companies (NYSE: MMC), uma empresa global de serviços profissionais fornecendo consultoria e soluções a clientes nas áreas de risco, estratégia e capital humano. Com uma receita anual de US$13 bilhões e 57.000 empregados em todo o mundo, a Marsh & McLennan Companies também é a controladora da Marsh, líder mundial em corretagem de seguros e gerenciamento de riscos, Guy Carpenter, líder mundial em serviços de risco e mediação de resseguro; e Oliver Wyman, líder mundial em consultoria de gestão. Para mais informações, visite www.mercer.com. Siga a Mercer no Twitter @Mercer.

 

INFORMAÇÕES PARA CONTATO